As conquistas coletivas da companhia apresentadas pelos colaboradores nas redes sociais humanizam o trabalho desenvolvido por todos e ampliam o alcance das informações.

Mesmo que você não tenha uma rede social, alguém próximo provavelmente faz uso e você, de certa forma, também é impactado por este universo de compartilhamento de informações. Dados apontam que quase metade da população mundial usa alguma rede social. O uso dessas ferramentas tem sofrido modificações recentes, sejam as promovidas pelas próprias plataformas, sejam as mudanças de comportamento pelos próprios usuários, cada vez mais conscientes da importância do bom uso dessas tecnologias. Falar sobre seu universo de trabalho, com bom senso e respeitando os sigilos necessários de cada atividade, é uma forma de mostrar seuorgulho pelo que faz e também de conectar colegas e pessoas com o mesmo interesse. Navegando pelas redes sociais, Panorama detectou esses “Eurolovers”, colaboradores que mostram o orgulho de pertencer à companhia e compartilham as conquistas de todos.


Vitrine profissional
O Brasil é o 2º país que mais mistura contatos profissionais e pessoais na Internet e são os que mais se preocupam com a opinião dos colegas de trabalho sobre as postagens nas redes sociais. O LinkedIn tem no Brasil 25 milhões de usuários, o terceiro maior público no mundo, perdendo para Estados Unidos e Índia. Um dado inusitado é que cerca de 31% dos brasileiros entrevistados disseram que não contratariam alguém que não tivesse perfil na rede.

 Nada como o amanhecer na Unidade Itapevi
A analista de Inteligência Operacional na Unidade Itapevi, Bruna Araújo, afirma que todos que convivem com ela podem certificar seu status de “Eurolover”, amor que, segundo ela, vem antes mesmo de ter entrado na companhia, há quase três anos. “Foram dois anos tentando entrar na empresa, três entrevistas diferentes. Eu passava pela rodovia Castelo Branco apenas para admirar a grandiosidade, e quem vê por fora não tem a noção do que temos aqui dentro. Tem muita gente que sonha entrar e ter conseguido esse objetivo me emociona. É justamente por não ter sido fácil que hoje eu dou valor a cada dia que eu me levanto para vir até aqui”.

Bruna afirma que é impossível não compartilhar todo esse orgulho nas redes sociais. “Nesses quase 3 anos foram 73 postagens só no Instagram e entre os temas está o fato de eu poder ir embora às sextas ao meio dia, o Natal Solidário, a Stock Car e os recordes alcançados. Mas, sempre tem as mais curtidas e a número 1 na minha rede é o #BOMDIAEURO. Eu costumo chegar por volta das 6h, mesmo trabalhando no setor administrativo. O amanhecer na Unidade Itapevi é a cena mais linda dos meus dias. Ele é a dose diária para enfrentar tudo que a jornada traz. Existe até uma competição interna, saudável, de quem tira a foto mais bonita”, revela. 

O melhor lugar para trabalhar, de verdade
O colaborador Elmer Martínez, propagandista na Eurofarma Guatemala, afirma que o prêmio como Melhor Farmacêutica para trabalhar na América Central, pelo Great Place to Work (GPTW), é autêntico, pois os valores são vivenciados diariamente. “Isto gera o sentimento de pertencer e dar o melhor de si em cada âmbito profissional. Este orgulho eu compartilho no LinkedIn, minha rede favorita para isso. Quando eu completei os primeiros 5 anos na empresa recebi uma homenagem com um pin. A Eurofarma é a empresa da minha vida e espero poder ser parte das conquistas futuras”.





Chegando à maioridade
As redes sociais já são tão onipresentes em nossas vidas que é provável que você nem se lembre de quando e como tudo começou. E já temos adolescentes chegando à maioridade no grupo, como o LinkedIn, que completa 18 anos no próximo mês de maio. O primeiro serviço a receber o status de rede social foi o Friendster, nascido em 2002, conquistando 3 milhões de usuários em poucos meses. Em 2003, nasce o LinkedIn. No ano seguinte, 2004, foram criados o Flickr, o Orkut e o Facebook. Este último, tornou-se o gigante das redes sociais, sendo dono também do Instagram (criado em 2010) e do WhatsApp (em 2009).

Quem está fora quer entrar
Seguidora da Eurofarma nas redes sociais, Daniela Nuñez, que é Key Account Manager na Eurofarma Costa Rica, afirma estar sempre atenta às publicações para curtir e compartilhar em suas próprias redes, principalmente, LinkedIn e Instagram. “Eu tenho orgulho de pertencer a esta companhia. Também me encanta ver como entre colegas há reconhecimento e agradecimento pelos trabalhos uns dos outros, publicamente pelas redes. Compartilhei uma publicação sobre o prêmio que conquistamos pelo Great Place to Work (GPTW) e foi muito interessante ver como as pessoas me contataram para saber se existiam vagas na empresa para as quais pudessem se inscrever”, conta.


Ações que vão além do esperado
O colaborador Francisco García, gerente da linha Hospitalar e Odontológica na Eurofarma Guatemala, reforça que compartilhar notícias do trabalho nas redes sociais mostra aos amigos e familiares um pouco do orgulho do trabalho que realiza e também da empresa. “Eu tenho orgulho de pertencer à Eurofarma, pois acredito que as nossas atividades têm contribuído para a comunidade médica e para os pacientes, e nos destacamos por não fazermos apenas simples ações mercadológicas”, opina.






Informações científicas para a comunidade médica
Gerente de Produto na Eurofarma Argentina, Jorge Carmona é outro colaborador “Eurolover” que compartilha nas redes sociais seu orgulho de pertencer, principalmente no LinkedIn, além de informações que considera relevantes. “Na Argentina, estamos trabalhando com o apoio da área de Comunicação Corporativa para a difusão das atividades científicas, dirigidas aos profissionais de saúde, que geram um bom impacto. Superamos os 10 mil contatos e um grande número de interações”, relata. Jorge acredita que as redes sociais são fundamentais não somente na comunicação, mas no modo como nos relacionamos. “Com cuidado no uso das redes, creio que é bom mostrarmos nosso orgulho de pertencermos à empresa”, acrescenta.

Redes são os meios de comunicação dos tempos atuais
A gerente Distrital na Eurofarma Costa Rica, Miriam Rios, diz que se identifica como colaboradora da empresa já na própria foto de seu perfil. “Adoro compartilhar nas plataformas Facebook e LinkedIn e quando publico vídeos ou informações as pessoas me perguntam muito sobre a empresa e meu trabalho. Um amigo quis saber há quanto tempo eu estava na empresa, pois me via muito feliz. Estamos vivendo em um mundo muito digitalizado e virtual e temos que nos adaptar. As redes sociais são os meios de informação hoje, de compra e venda de produtos e serviços. Se bem conduzidas, as redes sociais são grandes ferramentas de comunicação”, diz.